sarau de aniversário

sarau de aniversário

domingo, 15 de dezembro de 1996

Poetas

MARIA de LOURDES de S.C. BADARÓ                              ARLINDO  BORBA de OLIVEIRA

                       C H U V A                                                              DE CORAÇÃO A CORAÇÃO

       Lá fora a chuva canta uma canção                                                   O coração solitário
       Em ritmo suave de acalanto...                                                          que encontrei por acaso
       Dentro de mim, o tédio, a solidão                                                     tem aquecido o meu
       E a saudade pungente que dói tanto !                                               em compassos de Bach;
                                                                                                              e eu choro e deploro
       Angustiada eu escuto o coração                                                       porque o tenho ao meu lado,
       Batendo o meu cansaço e desencanto,                                             pela beleza de sua música
       Querendo as mágoas afogar em vão,                                               e porque não posso amá-lo !
       Nas águas copiosas do meu pranto                                                  .......................................
                                                                                                             Agora, como sempre,
       E a chuva continua, persistente,                                                       o humano paradoxo !
       A escorregar as gotas na vidraça,
       Peneirando tristezas mansamente...

       Que bom se ela levasse o meu tormento,
       Na enxurrada veloz que agora passa,
       Para o almejado mar do esquecimento !

POETAS - S.LANDINI e LAÍS

                  SIDNEI  LANDINI                                           LAÍS  RODRGUES  DE  LIMA

                   PALAVRAS                                                            SE  ESTOU  CONTIGO...

    Restam poucas palavras, muito cedo                              Quando te espero, amada, hora marcada,
    Nossa forma de amar terá findado !                               Como os minutos passam devagar;
    E, então, será um pálido arremedo                                  E eu fico andando aflito na calçada,
    Daquilo que tivemos no passado.                                    Olhando em meu relógio sem cessar.

    E nos veremos pouco, e no arvoredo                              Se estou contigo, o tempo, em disparada,
    Onde nos abrigamos, lado a lado,                                   Contrariamente, é igual onda do mar:
    Haverá um sussurro, um susto e um medo,                      Passa depressa... É como um quase nada,
    Estremecendo, em coro inacabado...                               Que eu nem percebo o tempo caminhar.

    E o tempo correrá, celeremente,                                      Ah, se eu pudesse, é claro, ficaria
    Nos levando, afinal, ao fim e ao nada,                              O tempo todo em tua companhia,
    Como flores que ao vento desfolharam.                            Pois tu me trazes paz, felicidade.

    Compreendamos, portanto, estóicamente,                        Contigo a minha angústia fica ausente,
    Minha jovem e doce namorada,                                       Por isso te confesso tristemente:
    Que os melhores momentos, já passaram...                      Nem bem te deixo, amor, sinto saudade !