sarau de aniversário

sarau de aniversário

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

O Terno do Brasilino. José Luiz Pires




Brasilino vivia na cidade grande; vindo do interior lutava para se auto sustentar. Mesmo sem conseguir juntar as letras e formar palavras, sempre caminhava com um ou mais livros em baixo dos braços. Durante suas caminhadas diárias ia encontrando pessoas e dizendo-lhes:
- Quer ler este livro?  É muito bom, o autor é excelente!
Brasilino vivia de donativos e recicláveis que vendia nos ferros-velhos dos bairros que percorria. Carismático e conhecido de todos, estava sempre desfiando seu rosário de histórias; falava das pessoas e ria muito dos acontecimentos por ele observados e vividos.
Quando passava em frente à alfaiataria do amigo Afrânio, sempre dizia:
- Amigo Afrânio! Estou indo comprar um corte de tecido, amanhã vou mudar de vida, serei outra pessoa.
E seguia seu caminho.
O sonho de Brasilino era usar um terno, e não havia dia que não tocasse no assunto do terno e sua mudança de vida. Por onde passava sempre ouvia:
- Cadê o terno, Brasilino?
- É amanhã, você vai ver, está ficando lindo.
Os anos foram passando, a velhice chegando e nada do Brasilino aparecer vestido com o tão propagado terno.
A casa do Brasilino era bem humilde: quarto, cozinha, sala e banheiro. As paredes eram sem reboco, o piso, de cimento queimado, porém, tudo bem limpinho e arrumado. No quarto existia uma prateleira com muitos livros, todavia, não tinha lido nenhum, não sabia sequer escrever o nome. Muitas pessoas passaram por sua porta à procura de livros para leituras e trabalhos escolares. Após a escolha, Brasilino vinha com seu bordão:
- Muito bom, o autor é excelente!
Amanhece mais um dia. Brasilino chega à porta da alfaiataria do amigo Afrânio, entrega uma sacola com um pacote dentro e diz que ele pode abrir o pacote. Ali estavam: um corte de linho branco, um retrós de linha, cinco botões para a calça, três para o paletó; nem os botões do colete Brasilino esqueceu.
- Afrânio! Tire as medidas e pode fazer o terno. Quanto é? Quero pagar adiantado.
A noticia espalhou-se rapidamente, igual “rastilho de pólvora”.  Brasilino passou a andar todo garboso pelas ruas do bairro, parecia ensaiar seus próximos passos, sua nova postura, na ânsia da oportunidade agora quase real de vestir tão esperado terno! Chamado foi para sua primeira prova. Seus olhos brilhavam, sua postura aproximava-se de um Lorde.
Uma semana depois chega o aviso tão esperado. Afrânio, o alfaiate chama Brasilino e diz: amanhã passe por aqui, ficarei trabalhando no seu terno depois do expediente e irei terminá-lo.
Brasilino foi ligeiro para casa e fez uma faxina geral. Retirou o calendário da parede, circulou a data do dia seguinte: 1º de Novembro de um ano qualquer. Deitou-se mais cedo do que o horário costumeiro, quanto antes dormisse, o dia seguinte chegaria mais rapidamente. Pontualmente às seis horas o despertador tocou. Levantou-se, tomou um demorado banho, passou brilhantina nos cabelos, escovou os dentes, passou uma loção pelo corpo e pôs-se a lustrar por mais de trinta minutos o par de sapatos que havia achado certo dia e guardado para essa ocasião. Às sete e meia partiu em direção à alfaiataria; aguardou pacientemente por mais de uma hora até que o amigo Afrânio chegasse para abrir o comércio. Retirou o terno do manequim e seguiu apressadamente para o provador, olhava atentamente para cada detalhe da sua imagem refletida no espelho, até mesmo o último botão do colete deixou sem abotoar.
Tudo como manda o figurino.  Inesperadamente exclamou lá de dentro:
- Afrânio, perfeito!
Saiu para a rua todo empombado, e todos vinham ter com ele. Caminhava altivo por todo o bairro, desfilou por todas as ruas, atravessava a rua sem motivo algum. Naquele dia tão aguardado, almoçou num bom restaurante e passou pelo café no meio da tarde. A noite chegara e na lanchonete, entre amigos, pediu um lanche completo, com tudo o que tinha direito.
Depois, despediu-se de todos e começou a caminhar lentamente. Olhava as casas com uma visão que nunca tivera, parecia ler os luminosos dos estabelecimentos. Vez ou outra olhava para o céu, não sei se para a lua ou para as estrelas, mas, com certeza contemplava o firmamento.
Chegando a sua casa, encostou o pequeno portão de madeira no batente, passou a chave na porta da cozinha e encaminhou-se para o quarto. Arrumou as cobertas, ajeitou o travesseiro. Sentou-se na cama, logo foi retirando os sapatos e, deitando, ajeitou o paletó para cá e para lá. Elevou seus pensamentos a Deus e orou como todos os dias fazia.
 Olhou para o relógio pendurado na parede: 5 minutos do dia 2 de Novembro de um ano qualquer. Brasilino adormeceu rapidamente e nunca mais acordou !!



José Luiz Pires - Presidente da Casa do Poeta de Campinas
Inadequado54@hotmail.com

Um comentário:

  1. Que ansiedade me deu para saber o final! Triste, muito triste! Pensei que fosse diferente! Mas sua escrita é um primor! Você sabe narrar com emoção e ênfase! Parabéns como sempre... Rachel

    ResponderExcluir