sarau de aniversário

sarau de aniversário

sábado, 14 de dezembro de 1996

POETAS

    NORMA de L. GUIMARÃES RIBEIRO                       FRANCISCO F. de ARAÚJO

           SALVE,  NATUREZA !                                                     A  ARMA  DO  POETA

       Não há nada de em vão na natureza,                                           Com fome, não falo;
       em tudo há uma finalidade,                                                          no canto, me calo;
       mesmo o universo é prova de equilíbrio,                                      se culta, me embalo;
       que o Grande Deus legou à humanidade.                                     se injusta, me entalo...

       O " homo sapiens " insiste em destrui-la,                                      Nas mãos do poeta,
       ao derribar-lhe as árvores e flores,                                               delícia de meta,
       herdam seus filhos e a posteridade                                               a mira da seta
       um deserto de árduos dissabores.                                                no amor se projeta...

       Deixai gorjear os pássaros nas matas,                                          A minha centelha,
       a água pura correr no rio, sem fim,                                               às vezes vermelha,
       não se emudeça o canto das cascatas,                                          no branco se espelha
       nem se destruam flores no jardim;                                                se enrola, se esguelha...

       que a natureza é sábia e bem castiga,                                           De prata ou de ferro,
       aquilo que é contrário à Criação,                                                 condeno ou libero,
       pois vai vingar-se do homem que a fustiga,                                   percebendo que erro
       nessa ânsia de vil destruição.                                                       eu mesma cancelo...

       É necessário ao homem preservar,                                               Embora pequena,
       com carinhoso afeto e sutileza                                                      não saio de cena,
       e aprender com os pássaros a amar                                             às vezes amena;
       as dádivas e os dons da natureza !                                               se rude, que PENA !

Nenhum comentário:

Postar um comentário